História do Museu Aeroespacial

Edição 2 : 12/07/2010
Autor:  Luiz Carlos Barbosa Dei Ricci
aeroporto-santos-dumont-campo-dos-afonsos-centro-rj

              7 anos preservando a história da aviação,  Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro – Uma réplica em tamanho natural do 14 Bis, o Demoiselle, o chapéu de palha, fotos e pertences de Santos Dumont, além de mobiliário, armas, aviões, helicópteros e lembranças da grande ofensiva aliada durante a II guerra mundial compõem o rico acervo histórico do Museu Aeroespacial – “Berço da Aviação Militar”.

            A ideia de se criar um museu aeronáutico data do ano de 1943, quando o então ministro Salgado Filho determinou a sua organização, tendo o trabalho inicial e outras tentativas posteriores de criação sendo interrompidas por falta de local apropriado. Atendendo à exposição de motivos do Ministro da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro do Ar Araripe Macedo, o então Presidente da República Emílio Garrastazu Médici, cria o núcleo do Museu Aeroespacial em 31 de Julho de 1973 através do Decreto N.º 72.552. Em janeiro de 1974, iniciavam-se os trabalhos de restauração do prédio e hangares da antiga “Divisão de Instrução de Vôo” da Escola de Aeronáutica, juntamente à coleta de acervo, restauração de aeronaves, motores, armas e diversas peças de cunho histórico aeronáutico; sendo inaugurado em 18 de outubro de 1976.

          As principais funções do MUSAL são desenvolver, divulgar, preservar e estimular as atividades referentes à memória e a cultura da aeronáutica brasileira. Situado em uma área de 15.195 m2, incluindo um prédio de dois andares e cinco hangares em anexo, além do Hangar de Restauração, é considerado o maior da América Latina e o oitavo no mundo.

          As salas de exposição do prédio principal abrigam coleções históricas de pioneiros da aviação e o salão principal reúne as aeronaves mais antigas do Museu, como um Caudron G-3. Nos cinco hangares encontra-se a disposição do público a coleção de aeronaves, algumas pertencentes a própria FAB, e outras tendo sido adquiridas por meio de doações. O acervo não para por aí; também possui uma biblioteca com cinco mil títulos especializados, além do arquivo histórico contendo documentos impressos, manuscritos, fotografias, “slides”, negativos, vídeos e filmes.

        O valor histórico, e as condições de preservação da coleção de aeronaves ali disponibilizadas, faz com que o Museu Aeroespacial sempre receba novas doações de aviões, além dos que já se encontram no hangar de restauração aguardando um espaço para serem restaurados.

a_26;_c_47;_sa_16
Hangar de restauração – Boa vontade e criatividade

     Em hangares anexos, o complexo aeronáutico mantém uma oficina de restauração com uma equipe especializada que transforma, muitas vezes, um trabalho praticamente quase impossível de ser realizado, em realidade, pela boa vontade, dedicação e criatividade.

Associação Carioca de Aeromodelismo